Uma manhã qualquer acordei
e tive uma visão.
O mar me invadia pelas janelas
como se as paredes de minha casa
fossem rochas à beiramar.
Ao meu lado, uma Janaína deitada.
Era um pouco peixe e um tanto mulher.
Cada vez que sua boca abria,
soltava sol pelos pulmões.
Desse dia em diante o mar nunca mais se fez distante.
E mesmo nos dias que ela não esteve por perto,
o sal salgou minhas vontades
e a maresia devorou minha carne.

_Você demorou demais pra ser meu outra vez!
_As coisas foram no tempo certo.
_ Já é muito para quem tem pressa!

Quando era pequeno,
costumava esconder coisas que eram especiais para mim.
Com o tempo eu esquecia onde às tinha escondido.
Eu às perdia.

A primeira vez que eu fui embora daquela cidade,
minhas veias se encheram do nome dela
e como uma visão, finalmente entendi
que aquele sotaque de agua,
nunca mais iria emboar de mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s