Tente outra vez

 

tente

 

Ela não aguentava mais esperar. No começo do casamento existia um silêncio das pessoas,
cobranças sutis. Após alguns anos e muitas viagens a pergunta vinha quase em todos eventos:
“quando vocês terão filhos? ”
Ela queria muito mesmo. Dois filhos, de preferência um casal, a menina mais velha, já havia
escolhido os nomes. Sua família imaginária fluía muito bem. Mas a realidade a empurrou para
uma faculdade longa, depois uma pós, um MBA nos Estados Unidos, uma fase em que o
trabalho estava muito corrido e viajava muito, um noivado desfeito e uma certa aversão a
relacionamentos. Quando se deu conta havia passado dos trinta anos, era dona de um
apartamento, ações, vários carimbos no passaporte e um namorado ocasional que nem
sonhava em ter uma família. O casamento demorou a acontecer e o desejo de ter filhos foi
adiado até que começou a tentar e viu que não é tão simples assim.
Cada mês era aquela tensão, as tabelinhas, o muco cervical, os aplicativos marcando com
coraçõezinhos o que não era nada romântico. O marido se sentia um reprodutor, e ela uma
fracassada. A menstruação vinha carregada de frustrações, o sangue tingindo a privada e
manchando seus sonhos. Ela se sentia inferior a todas aquelas mulheres que engravidaram de
primeira e sem esforço. Barrigas salientes começavam a aparecer no escritório, no elevador do
prédio, e até aquela cunhada que casou muito depois estava grávida. Não era inveja, mas uma
sensação de injustiça.
Tentou tratamentos alternativos, passes, balanceamento energético e pílulas do frei Galvão,
fez todos aqueles exames doloridos e que vieram normais. Pior que ter um problema é não ter
nenhum impedimento e não conseguir. O relógio biológico era implacável e mesmo não
aparentando sua idade, sabia que a reserva ovariana estava no fim.
Depois de uma forte crise de choro e desespero desistiu. Jogou fora as planilhas onde
registrava minuciosamente as datas das relações sexuais, e se cadastraram na fila de adoção.
Foi viajar com o marido para a praia. E finalmente quando abriu mão de controlar o universo o
sinalzinho de positivo apareceu no teste. Respirou aliviada. A aventura estava só começando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s