Você não vai me roubar de mim

 

roubar

 

 

 

Me olhei no espelho e o reflexo era vazio. Eu era um fantasma. Sem identidade, mal podia reconhecer o ser que se apresentava diante de mim.

Percebi, aos poucos, que eu estava sendo roubada de mim. Começou com música. Ao ouvir “Esta Tarde”, minha lembrança só era você. Foi a trilha sonora da nossa viagem para o Equador. Percebi que se quisesse te esquecer, não poderia mais ouvir aquela música.

Depois foi para os livros. Peguei “Amor Nos Tempos de Cólera” e, imediatamente, me lembrei que líamos esse livro no Solo Sagrado, nas tardes de domingo. A cena é sempre a mesma: você deitado com a cabeça no meu colo e eu lendo em voz alta, de frente para a represa. Se quisesse desbotar essa memória, teria que deixar o livro de lado.

A coisa foi ficando mais grave. Estava visitando uma exposição de fotos, sozinha, numa dessas tardes que nos damos de presente. Sentei-me para tomar um café e, como tira gosto, ele estava acompanhado de um brigadeiro. No começo nem me dei conta, mas ao colocar o doce na boca a lembrança me levou para nossas presepadas na cozinha. A única coisa que fazíamos bem era esse maldito brigadeiro.

Ficou crônico quando os demônios começaram a rir de mim em público. Fui convidada para falar em um evento na Pinacoteca e, assim que coloquei meus pés lá dentro, voltei para os dias dos seus estudos em fotografia. Era lá que você mais gostava de estudar e praticar.

Comecei a abrir mão de muita coisa para te esquecer. À medida que fui evitando as coisas que me lembravam de você, fui sumindo. Minha aparência foi ficando pálida transparente e já quase não haviam mais coisas dentro de mim.

Acontece que você não é dono das minhas memórias. Você não é dono das minhas preferências. Eu quero lembrar e viver, sem ter que carregar o seu corpo em minhas costas. Você é pesado demais.

Fiz as pazes com as minhas lembranças. Você está nelas, mas agora, eu também estou – só que maior do que você. Essa é a minha vida e você não vai tomar ela de mim. Fique nas memórias, mas apenas nas pequenas partes que te cabem. A grandeza delas é minha.

Me olhei no espelho hoje de manhã, eu estava lá. O reflexo era meu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s