Miragem.

Era uma manhã ensolarada e a paciente não parava de falar, emendando um assunto no outro, ansiosa. Num instante de distração percebo um beija-flor batendo contra uma janela espelhada do prédio em frente. Ele batia e caía, batia de novo. Fui ficando angustiada, ele parecia determinado e ignorava o perigo e a dor.

Volto a escutar minha paciente contando seu padrão de relacionamento com homens que não a respeitam, apesar de “serem boas pessoas”. Esse último namorado parecia incrível só que a rebaixava, tinha crises de ciúme, apertou seu braço deixando marcas algumas vezes e ela continuava tentando pois afinal de contas o amava.

Quantas vezes batemos contra a vidraça, enganados pelas ilusões, pelas miragens que a vida nos fornece? Quantas vezes nos arrebentamos enganados pelas projeções e parece que persistimos até sangrar?

Não somos pássaros e podemos ser livres nas nossas escolhas. Mesmo assim ficamos presos a relacionamentos ruins, empregos que nos sufocam, amizades superficiais. Um céu espelhado é muito pouco perto da imensidão que nos aguarda. Entretanto, é preciso abandonar as crenças distorcidas, a teimosia e simplesmente mudar a rota.

Finalmente o beija-flor tomou outro rumo. Minha paciente, por outro lado, continua insistindo e se machucando. Milhares de pássaros morrem enganados pelas janelas dos prédios. Milhares de mulheres morrem enganadas por homens que prometem o céu mas são apenas vidros cortantes. Torço para que todos, humanos e pássaros, aprendam logo a diferença e fiquem seguros e livres.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s