Barraca do beijo

 

barrca

 

Listras brancas horizontais em paralelo. Bípedes acelerados praticam o ir e vir empurrados entre sinais verdes e vermelhos. Realizando malabares por entre gigantes de aço areia e pedra, costuram desejos com inseguranças, poluição com respiração, tempo com relógios, vivendo desajustes em meio a desencontros. Ansiedade.

 

Não é de hoje que a humanidade testa seus limites. Antes mesmo de inventarem a palavra trabalho, pessoas eram escravizadas e outros exerciam suas atribuições à exaustão. Consumiam a si mesmas no breve espaço entre dormir e acordar.

 

Ambições e convicções rasgam o dia em busca de sempre mais, traçando metas impraticáveis, atendendo organizações e instituições viciadas em suas próprias crenças e números de mercado.

 

Prestes a explodir somos bombas relógio e enquanto não explodimos, vazamos discursos de ódio e vomitamos medos disfarçados de raiva na tela e no colo de desconhecidos. O virtual nos enche e nos esvazia com suas ilusões, promessas e gente que não sustenta sua própria identidade, quanto mais bancar seus próprios desejos. Querem viver tudo, a todo momento, inclusive a felicidade alheia e então a criticam e condenam.

 

Em sites de relacionamento o que menos se enxerga são pessoas se relacionando, todas querem estar com alguém, mas não apostam ou se lançam à entrega de estar com alguém de fato. Querem alguém carinhoso, atencioso, cheiroso, trabalhador, amoroso, decidido, independente, bem-humorado e tantos outros “idos”, “osos” e “ados” que a vista embaralha. Talvez fosse mais fácil começar uma conversa itemizando os requisitos apresentados para dizer se há “encaixe” ou não.

 

Não é possível reinventar o humano, embora muitos livros da “auto ajuda” possam dizer o contrário, mas caminhos são possíveis não? Não há beco para quem enxerga a rua por onde veio. Que possamos ter pessoas reais, sendo elas mesmas sem se ancorar na vida de outrem, que vivam sabendo rir e chorar de si mesmas e que carreguem consigo a leveza de um sentimento sábio. Que busquem entendimento e compreensão para suas dores, pois por mais pesado que um momento seja, sempre irá passar e ninguém tem que pagar por isso.

 

Por mais beijos gratuitos e paixões declaradas. Sejamos.

Abraço!!!

 

Siga @bob_inconsciente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s