A ruiva incolor

 

2

 

A ruiva incolor

Era bonita, cabelos vermelhos, alta, mas um olhar bem triste. Notei uma tatuagem de golfinho no pulso. Só a encontrei duas vezes. Tinha um jeito delicado, mas adornada por aquela sombra. Sorria pálido.
Brigava muito com a mãe, se sentia sozinha. Não, ninguém a entendia. A sensação de não
pertencer àquele ambiente, de não fazer parte, era evidente. Não aguentava mais. Falava
pouco.
Um dia ela sumiu, foi para a América. Talvez quisesse fugir de tudo, sair do inferno familiar.
Viajou sozinha, mas os conflitos a acompanharam, causando excesso de bagagem numa
viagem que deveria ter sido leve. Parou o tratamento.
Depois veio a notícia: saiu voando feito passarinho. Décimo terceiro andar. Ela não sabia que sombra a gente carrega grudada no corpo até o dia em que consegue iluminar o escuro que vem de dentro. Partiu sem bilhete nem despedida. E nunca mais vi golfinhos na sala de espera.

Cecília Attux

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s