História Fantasma

Agora tateio memórias
como quem tateia no escuro
os móveis da sala.

Agora pergunto à alma
como quem pergunta ao diabo
quantas vidas ainda restam a apostar.

No canto do quarto ficaram os fantasmas.
Feito canários de gaiola
soprando ar para fora dos pulmões.

Tentei cantar velhas canções
e do meu peito um grito seco silenciou.
Não haverá mais mar em minha cama
nem alma em minha sala
e nem móveis em meu peito.
Na imensidão de mim
coube a tua ausência inteira dentro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s