Quem diria que eu iria amar de novo?

imageDemorou. Mas, depois de eras, o meu peito se aqueceu de novo. E pensar que eu, um homem de tantas certezas, jurava que não amaria de novo. Afinal, tanto tempo havia se passado sem nenhum lampejo de luz nesta alma repleta de filosofias. Tanto tempo estranhando uma frieza própria que nunca havia conhecido. Então, tudo mudou. Um primeiro sorriso. O inexplicável carinho. Aquela sensação adolescente, em minha  tão gasta vida. A lição? Não há tempo certo para amar. Não há idade ou momento de vida. O amor nos pega desprevinidos, enquanto pensamos nas listas de compras ou nas metafísicas do indizível. Talvez, aí fora, alguém já tenha desistido de tudo isso. Acho bom. Acho até melhor. Porque, no fundo, o amor gosta dos distraídos. E nada nos torna mais amáveis do que uma leve desatenção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s