Ninguém vive de quase.

quasePrimeiro, a gente quase se amou. Quase fomos sinceros. Quase fomos inteiros. Depois, nós juramos tentar. Quase fomos ao cinema. Quase conversamos sobre as nossas diferenças. Quase conseguimos superar todos os outros quases que havíamos sido. Assim era o nosso amor. As promessas eram apenas ditas. As mentiras quase nunca reveladas. Éramos um amor tão potente. Uma folha em branco. Porém, nos esquecemos: o possível não existe. Pelo menos não enquanto for apenas uma mera possibilidade. Nós tínhamos tudo para dar certo. Tudo, menos os gestos. O ato. Então, o tempo nos desgastou. O tempo nos separou porque não soubemos ser o que deveríamos. O que prometemos. O que quase queríamos. Assim, eu lamentei quando o nosso amor acabou. Ou quase. Afinal, quem aceitaria viver somente daquilo?

 

1 comentário

  1. Parabéns pelas palavras tão bem colocadas em cada texto. Muito bom ver um blog com ÓTIMOS ESCRITORES, que a cada texto passam uma mensagem tão boa e marcante. ❤

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s