Não quero um amor de revista.

revistaNão quero um amor de revista. Envernizado com uma camada tão plástica e fria.

Eu quero um amor verdadeiro. Um amor capaz de corroer a minha alma como ácido, de perturbar todos os meus sonhos e insônias, de esmagar o meu peito com todo o peso de um outro alguém morando em mim. Um amor capaz de me marcar. Moldar. De me transformar em alguém melhor e também pior, com o nascimento de novos medos.

Um amor onde as pessoas erram. Magoam. Ferem. Mas o mesmo amor onde os corações perdoam. Gozam. Amam-se à luz de um luar que realmente existe, com todos os seus desconfortos e mosquitos.

Eu não preciso de fotos tão curtidas e histórias transformadas em vitrines. Eu eternizo as minhas paixões na minha retina. Porque, nas revistas e filtros, tudo brilha. Mas nada possui vida.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s