O último dia na terra

Naquela manhã, quando ele acordou, foi até o lado de fora e pegou uma placa comprida de madeira, com carvão da churrasqueira começou a escrever com muita atenção algo nela.
Então ele foi até o lado de dentro, pegou pregos e martelo, subiu em um banco e pregou sob a porta do quarto a nova placa que dizia: “O último dia na terra”.
Não se demorou muito olhando pra ela, foi até o banheiro e prestando muita atenção a cada detalhe do seu corpo se despiu. Tomou um banho, lavou os cabelos, aparou a barba e ficou algum tempo olhando no espelho. Percebeu que seus olhos eram castanhos, mas que nas primeiras horas do dia, por causa da luz, ficavam claros como oliva, lembravam folhas quase secas.
Foi ate a cozinha e esquentou a água prestando atenção em como costumava organizar suas vasilhas, passou o café reparando no cheiro e achou confortável o barulho suave que as torradas faziam ao passar a manteiga nelas. Trocou de roupa, escovou os dentes, olhou mais alguns minutos pro espelho e saiu.
No transito parado observou sua volta, reparou no grafite de um menino vestido de palhaço no muro, na arvore mais a frente cuja a copa cobria os dois sentidos da pista, reparou nas outras pessoas em seus carros e nas suas particularidades que ofereciam histórias e pensou no quão grande era o mundo.
Quando chegou ao trabalho, percebeu que sua cadeira era macia, que o ar era fresco, que mais pessoas, com mais particularidades e apesar de estarem ocupadas e vivendo suas vidas, notavam sua chegada e lhe davam bom dia. Percebeu que algumas ele achava feia, que outras ele achava bonita e que pela primeira vez na vida, não se sentiu culpado com essas alternativas.
Saiu pra comer e notou que o gosto era bom, e que quando lhe traziam a conta, ele podia pagar, que seu trabalho valia a pena, que as horas lhe valiam a pena, afinal de contas, naquele dia quando pensou no oficio, se deu conta de que amava o que fazia.
No fim da tarde caminhou e olhou pra cima, notou os topos dos prédios e o contraste com o céu cinza, costumava reclamar do tempo mas se deu conta de que também era bonito.
Foi até um bar, sentiu o gosto vivo do álcool em sua língua, pela primeira vez viu as pessoas, as luzes, ouviu as músicas e as conversas, pensou melhor e se deu conta que nas diferenças, as pessoas eram lindas.
E então sentiu que estava pronto para aquilo, havia degustado seu dia, sua cidade, seus vizinhos, sua vida.
Sentiu que tinha vivido, aproveitado, que estava pronto para aquilo.
Foi para a casa, ligou o rádio, abriu um vinho, tomou outro banho e vestiu seu melhor pijama. Visitou o passado nos álbuns de fotografia, tomou as pílulas ao lado da cama e enquanto via as fotos dos primos e tias, tudo escureceu.
Naquela manhã acordou pouco disposto, levantou de mal gosto e quando ia sair do quarto, reparou na placa que dizia: “O último dia na terra”.
Leu por alguns segundos mas não se demorou muito olhando pra ela, foi até o banheiro e prestando muita atenção a cada detalhe do seu corpo se despiu.
E sorriu.

5 comentários

  1. Estou apaixonada pelos textos de vcs! É uma gratidão enorme ler cada palavra, cada detalhe, e me deparar com esse mundo incrível… Muito obrigada por fazer o meu tempo sossegar de vez em quando… 😘

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s